Circular sobre ESG deve ser publicada na próxima semana

Circular sobre ESG deve ser publicada na próxima semana

A Susep vai publicar na próxima semana a circular que, em linhas gerais, trará os requisitos de sustentabilidade a serem observados pelas seguradoras, entidades abertas de previdência complementar, sociedades de capitalização e resseguradores locais. A revelação foi feita pela diretora de Sustentabilidade, Relações de Consumo e Eventos da CNseg, Solange Beatriz Palheiro Mendes, durante o seminário “Clima: Monitoramento de Dados e Gestão de Riscos”, realizado pela entidade nesta quarta-feira (22). “A circular sai semana que vem. O setor debateu e contribuiu muito. Agradecemos à Susep, que está alinhada conosco. O debate sobre essa circular foi profícuo, amigável e muito generoso. A Susep compreendeu nossos pedidos de alteração de prazos, principalmente. O regulador é grande parceiro na construção desse caminho da sustentabilidade. O governo e o setor privado tem que caminhar junto para termos um resultado bem construído lá na frente”, enfatizou Solange Beatriz, no encerramento do evento. 

Ao expor as razões para essa circular, a Susep lembrou que as questões relacionadas à sustentabilidade, tais como novos riscos decorrentes de eventos climáticos, podem se materializar em perdas financeiras significativas para as empresas, ameaçando a estabilidade do sistema financeiro e causando impactos econômicos e sociais concretos. “Essas questões têm cada vez mais despertado o interesse de reguladores e dos demais participantes dos mercados financeiros em diversas jurisdições”, frisou a autarquia. 

Ainda de acordo com a Susep, o objetivo da norma é fomentar uma atuação cada vez mais resiliente e sustentável do mercado segurador. “Busca-se, com a edição do normativo proposto, chamar a atenção para os riscos de sustentabilidade (riscos ASG, com destaque para os riscos climáticos), de forma a assegurar sua efetiva integração no processo de gestão de riscos das supervisionadas; estimular que aspectos relativos à sustentabilidade sejam considerados na tomada de decisão das supervisionadas, favorecendo o desenvolvimento de soluções inovadoras, a melhoria do desempenho operacional e o aproveitamento de outras oportunidades; e promover a divulgação de informações das supervisionadas sobre o assunto, facilitando a utilização pelas partes interessadas”, pontuou a autarquia. 

Veja alguns pontos importantes da circular e consequências para os segurados: 

1 – Aspectos ambientais, sociais e climáticos (ESG) deverão ser obrigatoriamente considerados pelas seguradoras no processo de subscrição de riscos; 

2 – Também quando atuarem como investidoras, as empresas do setor serão obrigadas a avaliar questões ambientais, sociais e de governança dos ativos das empresas em que investem; 

3 – Com a inclusão da ESG na subscrição, além dos questionários tradicionais, os clientes terão que comprovar que gerenciam adequadamente os riscos ambientais, sociais e climáticos a que estão expostos e seu comprometimento com essa questão; 

4 – Empresas com bons controles ambientais, os riscos sociais, as emissões e adote boas práticas ESG terão acesso a seguros mais completos e mais baratos.

Fonte: CQCS

Compartilhe: Facebook Twitter Google Plus Linkedin Whatsapp